PATRÍCULA ELEMENTAR

«A nossa pequena pátria, a nossa patrícula.» B. Vian

Jornalismo = serviço público

manietados_2015

A natureza da propriedade dos órgãos de comunicação social determina a natureza do jornalismo. O jornalismo, que é uma missão, e por isso não é um ofício igual a todos, só tem um caminho possível para se realizar em sociedades dominadas pela financiarização e pelo comércio de tudo: constituir-se efectivamente como serviço público – que é de facto o que o jornalismo devia ser e apenas – e das duas uma:

a) ser financiado pelos orçamentos dos Estados, através de instituições independentes dos poderes políticos, económicos e financeiros, necessariamente também integradas por jornalistas (jornalistas mesmo, não comentadores de temas mediatizados, nem cronistas emanados de fora de jornalismo, nem teóricos do jornalismo como sejam professores de comunicação, nem vendedores de clicks e outros agentes comerciais do mundo dos negocios) e sujeitadas a escrutínios rigorosamente estrangeiros a interesses de sectores particulares, única forma de salvaguardar a transparência de todos os processos envolvidos – condição extremamente dificultada pela natureza endemicamente corrompida das sociedades, e ainda mais quando a desigualdade e a miséria prosperam, favorecendo a expansão da instrumentalização da informação e do número de pessoas dispostas ao trabalho indigno;

b) ser financiado pelos leitores, através do modelo por subscrição paga, creio que o único capaz de suceder ao modelo assente nos anunciantes (entretanto migrado para a Internet e cuja unidade na cadeia de valor chamada click tem feito prosperar o negócio – sem relação com o jornalismo – dos agregadores de informação vertiginosa de cariz noticioso, amiude não verificada) e de garantir a independência do jornalismo, assegurando o financiamento das despesas com o próprio jornalismo – uma vez que a reportagem e a investigação de fundo (os géneros que de facto definem a actividade jornalística e não já as notícias, e de que as democracias absolutamente dependem para sobreviver) constituem práticas não apenas dispendiosas como também indesejáveis para a lucrativa desregulação neoliberal global, o que, aliás, explica o desinvestimento em jornalismo a que temos vindo a assistir desde o advento da globalização da economia mundial.

E era isto, no dia depois de ter terminado o 4.º Congresso de Jornalistas Portugueses e em que novamente jornalistas (grandes repórteres, com provas mais que dadas no terreno muito concreto do jornalismo – malgrado o mito academico que recentemente declarou  a profissão «indefinida» –  e ademais dotados de superlativas capacidades narrativas) foram dispensados no jornal Público.

Anúncios

About Sarah Adamopoulos

Antiga jornalista profissional, dedica-se à edição de livros - criação e produção editorial - desde 2008. Anda pelos blogues desde 2003, lugares de eleição para a escrita rápida e para o debate de sociedade. Autora de vários livros, entre os quais "Fado menor" (literatura, 2005) e "Voltar – memória do colonialismo e da descolonização" (investigação historiográfica, 2012). Traduziu, entre outros, o primeiro grande estudo económico sobre a desigualdade no Mundo publicado no século XXI ("O capital no século XXI", de Thomas Piketty). Tem sempre peças de teatro e poemas na cabeça.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: