PATRÍCULA ELEMENTAR

«A nossa pequena pátria, a nossa patrícula.» B. Vian

Alentejo

SONY DSC

Parece que existe uma polémica assinalável em torno de um livro do Henrique Raposo sobre o Alentejo. Já o comecei a ler e confesso que não percebo muito bem a razão do alarido. O livro é interessante enquanto testemunho pessoal, viagem interior de reencontro ou acerto de contas com uma identidade geográfica (etnográfica?) familiar que o autor procura apresentar como um depoimento parcialmente intimista, parcialmente observação do tipo national geografic visita os aborígenes. E talvez seja aqui que a coisa possa levantar algumas reservas, quanto ao tom usado, que afirma ser pessoal, mas ao mesmo tempo se assume sempre como olhar externo ao que observa, mas já lá vamos, após uma declaração de interesses.

Sou meio alentejano por via materna, de Vendas Novas (Alentejo apenas parcialmente profundo), trabalhei uns tempos (poucos) em Alcácer do Sal e conheço minimamente algumas das zonas descritas no livro, por onde andei por prazer e não apenas por dever. Pelo lado paterno, também tenho genética de migrante sulista, mas neste caso dos Algarves, Silves mais exactamente. Nascido e criado em plena margem sul, subúrbio proletário, crescido entre gente das mais variadas zonas do país, este é o tipo de livro que me atrai logo por causa do tema dos desenraízados.

Começa-se a ler e gosta-se, a sério que se gosta, do tom inicial, então confessional, que parece auto-depreciativo q.b., irónico, hábil com as palavras. Só que à medida que se avança, percebe-se que o olhar que se lança sobre o Alentejo faz todo o possível por se manter exterior, por ausência de empatia ou embaraço em assumir-se plenamente participante do que rodeia o autor. Percebe-se, gradualmente, que a viagem de Henrique Raposo ao Alentejo não é uma busca de identidade mas sim a busca da certidão de uma separação, o cortar de um cordão umbilical que perseguiu o autor de um modo incómodo e do qual ele se quis livrar. E ele faz isso de forma interessante em alguns momentos, enquanto em outros envereda por alguma deselegância própria do turista de passagem que vê os indígenas com evidente condescendência. E é esse o momento em que é necessário optar pelo caminho do very typical (e nesse caso deveria passar-se o teclado ao Sinel de Cordes) ou pelo de alguma compreensão antropológica dos alentejanos, velhos e novos. E o Henrique Raposo fica perdido a meio caminho, entre as estatísticas, o sarcasmo e alguma reprovação moral, a que tenta emprestar rigor histórico (pp. 56ss) como no caso em que quase explica a criminalidade contemporânea com a baixa qualidade dos nobres envolvidos na reconquista das terras além-Tejo. Mas nada disso é especialmente reprovável. São estilos. Como dizia há poucos dias um colega meu “já vi ganhar dinheiro com muito pior”. E o António Araújo nunca teria deixado publicar algo sem qualidade. Passei pelo crivo dele, sei o quanto é exigente como editor.

O problema é que o Henrique Raposo não se considera alentejano, não o quer ser, não quer compreender os alentejanos, apenas os observa e, na sua maior parte, reprova-os, não entende sequer o que significam os laços de comunidade e solidariedade no Alentejo. Mas, isso, repito, não é problema de maior.

O problema parece ser isto. Ir a um programa de amigos giros, tentar ser engraçado e começar, logo no arranque, a colocar tudo em termos políticos, direita/esquerda e tal e coiso e baralhar-se todo. E há quem se tenha ofendido, não percebendo que aquele programa é mesmo assim, não é para levar nada a sério com malta tão satisfeita consigo mesmo, a sua sofisticação, inteligência ou olhos arremelgados (a senhora).

Em momento algum isto justifica que se lancem anátemas, se ameace o autor, se queimem livros, se exerçam defeitos que até o Henrique Raposo não tinha conseguido encontrar. O livro é bem melhor do que esta forma pública de o apresentar.

Para terminar, dois apontamentos: prosa com menos de 100 páginas não precisa de tantos agradecimentos a gente notável. Parece um desfile de legitimações intelectuais da obra, uma espécie de name-dropping pouco discreto – como se o autor se sentisse inseguro sem revelar que todas aquelas pessoas leram o original e contribuíram para a reescrita final. Até porque…  e este é o segundo ponto… quando se identifica alguém como tendo de algum modo aconselhado o autor é complicado que algo relacionado directamente com a obra desse autor surja de forma errada. É o caso da localização do bairro do do Vale da Amoreira que entre parênteses se indica como sendo no Barreiro. Se é verdade que o Bruno Vieira Amaral foi um dos que acompanhou a obra ao ponto de ser uma espécie de responsável pelo título (p. 106) como é possível que, sendo autor de um notável livro inspirado naquele bairro onde viveu (que eu espreito todos os dias de aulas a partir das janelas das salas de aula viradas a sul da minha escola), não lhe tenha dito que o Vale da Amoreira (que Henrique Raposo identifica como um dos dois únicos refúgios de retornados, a par de Santo André) é e sempre foi no concelho da Moita? Eu imagino a conversa… é pá, aquele bairro sobre o qual escreveste fica onde? Perto do Barreiro – e pronto assim ficou como se fosse Carcavelos (Lisboa) ou Devesas (Porto). Bastava ir o zé google, caramba. E já agora, o bairro do Barreiro que recebeu muitos retornados foi o da Cidade Sol e no concelho da Moita, para além do Vale da Amoreira, há ainda um outro bairro com enorme presença de retornados desde os anos 70, que é o da Quinta da Fonte da Prata que também surge no livro do BVA. É um detalhe? É, mas quase logo no início do livro, chateia.

Henrique Raposo escreveu um mau livro? Não. É um livro fiel ao Alentejo? Nem por isso, mas a gasolina está cara para fazer um road movie a sério, como anunciado, de Moura a Aviz, de Castelo de Vide a São Teotónio. Faz calor e tem muita poeira, que se cola à pele, como escreve o autor. É um exorcismo? É. Ainda bem que Henrique Raposo teve quem lhe pagasse este exorcismo que se lê bem, mas que promete mais do que cumpre. E que dispensa bem engraçadices televisivas pseudo-radicais. E que, de forma alguma, justifica fatwas idiotas.

Alentejo

Alentejo prometido, Henrique Raposo
FFMS, 2016

Anúncios

About Paulo Guinote

Professor quando me deixam. Investigador quando posso.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: